Que tal o parlamentarismo?
Por Léo Gerchmann
25/04/2016

 Aqui escreve um assumido "isentão" neste país em que todos são algo. Então tá. Já que todos têm a sua, essa é a minha etiqueta, forjada por certa vocação pessoal temperada fortemente pela formação profissional. Mas nós, os "isentões", temos posição firme, ao contrário do que interpretações apressadas podem concluir: queremos ver nosso país com regras respeitadas, instituições preservadas e imagem digna aos olhos do mundo. E, bem, como em momentos confusos o óbvio precisa ser dito, vou apelar a um truísmo do qual talvez você nem se dê mais conta, cego que está em seus confrontos cotidianos. E qual é? É a essência da ideologia. Trata-se, simplesmente, de diferentes caminhos pelos quais as pessoas imaginam chegar a um mundo melhor. Tirando fascistas, nazistas e outras biscas e tendo sempre em mente que "inclusão" e "solidariedade" são palavras que precisam estar no horizonte da lombada íngreme do crescimento, devemos respeitar os caminhos adotados por cada um, até porque todas as pessoas sãs querem o mesmo destino-  o tal mundo melhor. Mais ou menos Estado? Às vezes, é questão de dosagem. E os caminhos não necessariamente seguem de forma paralela. Por vezes se cruzam sem qualquer derrapagem. Talvez haja problemas só com os atalhos, que costumam surgir à traição.

 Pois bem. Este "isentão" que vos escreve passou por uma conversão e a confessará. Depois de ter votado no presidencialismo 23 anos atrás, convenceu-se do contrário. É, agora, um parlamentarista. Você dirá: no Brasil não daria certo, mudaria o governo a todo instante, já houve duas experiências. Respondo: os gabinetes teriam de se habituar a formar governos consistentes, fazendo do Executivo a representação mais fiel deste vasto país. Acho até que o parlamento se veria impelido a melhorar o baixo nível atual. Ah, sim, e houve duas experiências. Numa delas, o rei tinha o "poder moderador", uma tremenda jabuticaba. Noutra, era uma rasteira no Jango. Agora não. Construiríamos uma estrutura pensada, debatida. Esta é a oportunidade. Em pleno presidencialismo, a governante está sendo afastada em julgamento político, como nos parlamentarismos. Já que a Câmara enveredou por esse caminho, que deve seguir no Senado, por que não aproveitamos a ocasião? Se fôssemos república parlamentar, a troca de gabinete seria natural e indolor. No presidencialismo, situações assim provocam traumas. Estamos traumatizados por erros, oportunismos e vilanias. Saibamos corrigir a rota com a civilidade da boa política. O parlamentarismo nos permitiria tomar esse rumo.

 

FONTE

 

Matéria originalmente escrita e publicada na ZH no dia 16 de abril de 2016

http://zh.clicrbs.com.br/rs/opiniao/colunistas/leo-gerchmann/noticia/2016/04/que-tal-o-parlamentarismo-5784465.html

Endereço: Rua Gomes de Freitas ,256/201 - Porto Alegre/RS. CEP 91380-000
Telefone: 51 3217.7603 / 51 98144.2288
E-mail: parlamentarismobrasil@gmail.com