O que é o Parlamentarismo

É um sistema político que se caracteriza pela colaboração entre o poder executivo e o poder legislativo na formação de um governo coletivo para administrar o bem público. 

O poder executivo é exercido por um chefe de Estado (Presidente), que representa a unidade nacional (Nação) e não governa, enquanto o governo é representado por um chefe de Governo (primeiro-ministro) que administra a coisa pública, com aval político do poder legislativo (voto de confiança) mediante um programa de governo.
O chefe de Estado (Presidente) pode ser escolhido pelo voto indireto em sessão do Parlamento, ou escolha direta pelo povo, em eleições majoritárias. Desempenha o papel de magistrado, investida em autoridade moral, influenciando sua liderança no equilíbrio de forças políticas, em busca da governabilidade, adotando uma conduta exemplar como árbitro, acima dos interesses partidários, assumindo o papel de Poder Moderador. 
COMO FUNCIONA NA PRÁTICA?
O chefe de Estado (Presidente) assume a responsabilidade em escolher o chefe de Governo (primeiro-ministro), que é submetido sua aprovação ao poder legislativo (Parlamento), onde por excelência é o exercício da democracia representativa, expressão fiel da Nação. É no centro deste poder, que surge a governabilidade (governo coletivo), que é a expressão do Parlamento, destacando-se aquele partido que obtiver maioria parlamentar, respaldado no resultado das urnas, inspirado num programa partidário, submetido ao eleitorado na época das eleições parlamentares.
O chefe de Estado (Presidente) pode também exonerar o chefe de Governo (primeiro-ministro), quando submetido a um voto de desconfiança pelo Parlamento, em razão do desvio de conduta política, por exemplo, não aplicando ou fracassando seu plano de governo proposto na época, quando submetido sua aprovação ao poder legítimo da representatividade do povo (Parlamento).
O Parlamento passa a ser então, o centro das decisões políticas, em benefício da coisa pública, e as ações do governo devem ser avaliadas sob o ponto de vista da responsabilidade política perante o Parlamento, que por sua vez é constantemente vigiado pela soberania popular mediante sua representação parlamentar.
Quando ocorrer na prática a decisão do Parlamento de não aceitar em duas convocações sucessivas a nova composição de governo, negando a indicação do novo chefe de Governo (primeiro-ministro), sucederá então uma crise política, que para solucioná-lo, o chefe de Estado (Presidente) utilizará sua prerrogativa constitucional, dissolvendo o Parlamento, e marcando novas eleições parlamentares, para que o povo possa manifestar-se no máximo em 60 dias.
Assim, o povo ao ser convocado para opinar no julgamento da crise política, poderá reconduzir ou não, aquele mesmo partido que estava governando ou modificando a composição do novo Parlamento, escolhendo outro partido, que executará novo programa de governo diferente daquele que motivou a queda do chefe de Governo (primeiro-ministro). Nestas novas condições, o chefe de Estado indicará o novo primeiro-ministro, na condição de árbitro do jogo político, em benefício da coisa pública.
QUAL A VANTAGEM DESTE SISTEMA POLÍTICO?
A figura do Chefe de Estado (Presidente), neste sistema político parlamentar, está acima das disputas de poder dos partidos políticos. Qualifica a representação máxima de Poder Moderador, representando a Nação. É o árbitro na disputa política, tendo seu papel em respeitar (homologar) o resultado das urnas das eleições parlamentares (Parlamento), garantindo a formação de um governo, com respaldo popular, na indicação do Chefe de Governo (primeiro-ministro), que durará o governo enquanto tiver aprovação do Parlamento e da opinião pública.
Assim, o povo não fica nas mãos de um governo que quando se desvirtua do seu programa de governo, não cumprindo com as promessas de campanha, porque tem mecanismo próprio da democracia representativa, em pleitear o direito de substituir o governo exercendo sobre o Parlamento, pressão legítima através de seus representantes na troca de governo, não precisando aguardar o término de mandato daquele governo conquistado nas urnas! O Povo é livre e soberano não apenas no dia das eleições, mas a qualquer momento, pode pedir a queda de um governo mal sucedido. É um sistema político, em que a representatividade não se encerra, após ser depositado o voto na urna, como acontece no modelo político (presidencialismo), que tem que aguardar um período de mandato de quatro anos fixos, para tentar modificar em novas eleições o quadro político vigente, tanto do Poder Executivo como do Parlamento.

PARA SABER MAIS
Nos próximos arquivos, dentro desta aba, você poderá se aprofundar sobre o tema, lendo o quê apoiamos como sistema de governo com moldes parlamentaristas, o qual é denominado de Sistema Presidencial com Gabinete. 
No arquivo BIBLIOGRAFIA, estarão listados livros que tratam do assunto, e que serão de grande valia conhece-los solidificando o embasamento teórico.
DOCUMENTOS relacionam leis e documentos históricos sobre projetos do Sistema Parlamentar no Brasil
Em ARTIGOS, vários autores escreveram sobre o tema política e particularmente sobre o Sistema  Parlamentarista. São autores consagrados, em textos de leitura rápida e que vale a pena ler ou baixar deste site. 
Em VÍDEOS, é a grande oportunidade de ver e ouvir pessoas de notório conhecimento sobre o tema política. Contém registros históricos de imagens que poderão tirar as dúvidas que sempre existem quando se procura respostas para questões que não temos experiências vivenciadas anteriormente. As principais palestras das reuniões do MPB, também estarão disponibilizadas em forma de link nesse arquivo, para serem vistas em vídeos.

Endereço Provisório: Rua Barão do Triunfo, 576/405 - Porto Alegre/RS Cep 90.130-101
Telefone: 51 3217.7603 / 51 8134.9781
E-mail: parlamentarismobrasil@gmail.com